Notícias

Notícias

Projeto de Execução do Bloco de Rega de Moura | Consulta Pública e Esclarecimentos

17/11/2023

A EDIA está atualmente a desenvolver o Projeto de Execução do Bloco de Rega de Moura, tendo marcado para o dia 28 de novembro, na Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos, uma sessão de consulta pública e de esclarecimentos dirigida aos proprietários dos prédios a beneficiar.

O Bloco de Rega de Moura, com uma área de cerca de 1200 hectares, tem como origem de água infraestruturas da rede de rega já existentes, junto à barragem de Caliços, e compreendendo a construção dos seguintes equipamentos: estação de filtragem, rede de rega com cerca de 20 km de condutas, sistema de automação e telegestão.

A sessão de Consulta Pública e Esclarecimentos, que contará com a presença de técnicos da EDIA, irá decorrer das 10:00 às 13:00 e das 14:30 às 17:30 horas.

Bloco de Rega de Moura – Mapa

Vista de Campo à albufeira das Almeidas (Beja) | 8 novembro

06/11/2023

No âmbito do projeto de Arborização e Requalificação Ambientais em Zonas Contíguas com o Regadio do EFMA, a EDIA promove uma vista de campo à albufeira das Almeidas. no concelho de Beja, no próximo dia 08 de novembro.

A inscrição é gratuita, mas obrigatória através do e-mail: diap.ambienteepatrimonio@gmail.com

Programa:
10:00 – Receção dos participantes e apresentação do projeto
10:30 – Visita à plantação de requalificação ambiental
             Instalação e manutenção da plantação
             Demostração de equipamentos ( e )
             Questões e debate
12:30 – Encerramento

EDIA distinguida com PRÉMIO SUSTENTABILIDADE pelo Clube de Produtores Continente

26/10/2023

A entrega deste prémio é uma distinção de mérito que surge na sequência do protocolo de cooperação assinado entre a EDIA e o Clube de Produtores Continente. Este protocolo permitiu replicar nas explorações agrícolas dos produtores do Clube Continente o modelo do projeto URSA – Unidades de Recirculação de Subprodutos de Alqueva, da responsabilidade da EDIA, a qual assegurou a passagem de know how aos produtores e o acompanhamento dos processos de instalação e legalização das unidades.

Trata-se de um processo que permite criar valor. Onde antes havia um custo, com este processo, há uma solução multifuncional:

– a fertilização agrícola tem por base materiais locais, promovendo ciclos curtos de baixo carbono,

– o subproduto orgânico, em vez de ser transportados em camiões até uma fábrica para ser queimado, é valorizado e transformado no local, sem custos de transporte, sem degradação de vias, sem queima, sem impacto social.

A aplicação de composto orgânico permite a melhoria da qualidade do solo e incrementa a qualidade da água, favorecendo, em paralelo, a melhoria da qualidade do ar, tornando o território agrícola de Alqueva numa referência de sustentabilidade agrícola, ambiental e também social.

O Protocolo URSA tem sido uma ferramenta de divulgação do processo de compostagem junto de entidades agregadores, agricultores ou agroindústrias, nas quais a dimensão justifiquem ter a sua própria URSA.

A vantagem, no caso dos agricultores com protocolo URSA, é que os subprodutos orgânicos nem chegam a sair das explorações. São compostados e utilizados na própria exploração, com benefícios para o solo e baixa pegada ecológica.

A primeira URSA, criada em colaboração com a Direção Regional de Agricultura do Alentejo, encontra-se em funcionamento desde 2019, em Serpa. O efeito demonstrativo desta unidade já conduziu à assinatura de 22 protocolos de colaboração entre a EDIA e empresas agroindustriais da região, em especial lagares de azeite, para criação de uma rede de unidades particulares de valorização orgânica por compostagem.

Invasões Biológicas ! QUE FUTURO? | Conferência | 09 novembro

25/10/2023

A EDIA e a APA promovem, no próximo dia 09 de novembro, em Beja, no auditório da EDIA, a conferência “Invasões Biológicas ! Que futuro?” onde se irá debater o conhecimento mais recente e os desafios associados às espécies invasoras.

As espécies invasoras são uma grande ameaça à biodiversidade e contribuem para 60% das extinções de espécies no mundo, de acordo com o recente relatório da IPBES, a plataforma intergovernamental de politicas científicas sobre biodiversidade e serviços ecossistémicos. O prejuízo anual causado por estas espécies é superior ao PIB de Portugal, sendo o seu controlo essencial para proteger e garantir a saúde dos ecossistemas e reduzir os prejuízos que causam à sociedade.

Será um dia inteiro dedicado ao debate e partilha de conhecimento, estratégias, políticas e financiamentos como instrumentos de combate a estas espécies invasoras, envolvendo diversas entidades portuguesas e espanholas, como universidades, associações e entidades públicas nas áreas do ambiente e desenvolvimento local.

A EDIA, entidade gestora do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, responsável por um total de 72 barragens e reservatórios, interligados por 2 078 km de canais e condutas para servir uma área de regadio de cerca de 130 000 hectares, há mais de uma década que desenvolve um conjunto de ações com o objetivo de conhecer e controlar espécies invasoras aquáticas, as que implicam maiores riscos para Alqueva.

A localização do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva a jusante da entrada do rio Guadiana em Portugal e a natureza difusa da água que serve de meio de dispersão para um elevado número de espécies invasoras, faz da prevenção uma peça importante na temática e a deteção precoce e o controlo imediato das espécies invasoras um grande desafio para as entidades de ambos os lados da fronteira.

A cooperação estratégica entre as entidades portuguesas e espanholas, no combate às principais espécies aquáticas invasoras, tem resultado no desenvolvimento de soluções que priorizam as intervenções nos locais onde o risco do aparecimento e instalação destas comunidades é maior, privilegiando o principio da precaução.

Consulte o programa  (em atualização) AQUI

Inscrições AQUI

EDIA promove Caso de Estudo no âmbito do projeto europeu MERLIN

25/09/2023

O MERLIN é um projeto europeu que promove soluções baseadas na natureza (NbS) como método principal para enfrentar questões sociais atuais, como alterações climáticas, perda de biodiversidade e outros desafios abordados pelo Pacto Ecológico Europeu.

Com um total de 18 casos de estudo, em 15 países europeus, a EDIA é responsável pelo designado Caso de Estudo 18 relativo ao Ervidel Floodpalin, que compreende a implementação de práticas adequadas ao restauro fluvial e ecológico de um segmento do barranco do Xacafre e da respetiva planície de inundação, prevendo-se também a instalação de zonas de prado floridos e de abrigos para reprodução de polinizadores como medida de promoção da biodiversidade.

O Caso de Estudo 18, a desenvolver numa linha de água no Bloco de Rega de Ervidel, integrado no Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, foi identificado como Twinning Case Study no Caso de Estudo 13 do Sorraia, tendo sido aprovado pela Comissão Europeia na sequência de uma candidatura submetida pelo Instituto Superior de Agronomia (ISA), estando a EDIA como parceiro de implementação deste projeto no terreno – planície de inundação no barranco do Xacafre.

As intervenções de restauro fluvial, enquadram-se em três tarefas fundamentais:
   1. Restauro Ecológico da galeria ripícola de um segmento do barranco do Xacafre (designado também por ribeira do Vale de Água/Pero Bonito), através da implementação de medidas com diferentes tipologias de intervenção, nomeadamente limpezas (podas, limpeza, desobstrução e desassoreamento); plantação de espécies ripícolas arbóreas e arbustivas autóctones; implementação de técnicas com recurso à engenharia natural e de ações de manutenção;
   2. Sementeira de um prado florido, com mistura de espécies herbáceas autóctones para produção de pólen, numa área com cerca de 1 hectare;
   3. Instalação de hotéis para polinizadores – com o intuito de criar abrigos para a reprodução de polinizadores.

Os 18 casos de estudo integram uma diversidade de sectores, entre os quais o Agrícola; Abastecimento de Água; Hidroelétrico; Navegação; e Extração de Turfa, e encontram-se distribuídos por 15 países da Europa, sendo que existem países com mais de 1 caso de estudo, como é o caso de Portugal, que apresenta 3 Casos de Estudo (CS) – CS 12 Lima Catchment; CS13 Sorraia Floodplain e o caso de Estudo da EDIA – CS18 Ervidel Floodplain.

O projeto MERLIN–Mainstreaming Ecological Restoration of freshwater-related ecosystems in a Landscape context: Innovation, upscaling and transformation é cofinanciado pelo programa H2020 -IA (Inovation Action), coordenado pela Universidade de Druuisberg-Essen na Alemanha, tendo como parceiro científico o Instituto Superior de Agronomia (ISA).

» Ficha do Projeto do  MERLIN – CS18 Ervidel Floodplain

» Mais informação sobre o Projeto MERLIN AQUI

EDIA atualiza ortofotomapas de Alqueva numa área de 14 100 km2

28/06/2023

Já está disponível a atualização dos ortofotomapas de Alqueva, referente a voos efetuados em 2022, cobrindo toda a área do EFMA – Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, cerca de 1 410 000 hectares (14 100 km2).

Trata-se de informação de elevada resolução, onde cada pixel da imagem representa 25 cm no terreno, o que possibilita monitorizar o território com um detalhe não disponível noutras fontes de informação, permitindo à EDIA acompanhar a evolução da atividade agrícola e a construção e entrada em operação dos novos perímetros de rega afetos a Alqueva.

Os ortofotomapas, à escala 1:5000, foram obtidos a partir de 13 465 imagens aéreas com uma altura média de voo de 2 680 m e, tal como em 2020, são disponibilizados em duas coberturas, uma com cor verdadeira e outra de “falsa-cor” com banda de infravermelhos.

Estes ortofotomapas são frequentemente procurados por beneficiários e investidores do EFMA para implementação de projetos agrícolas, sendo igualmente uteis na gestão de uma exploração agrícola, no planeamento, em avaliações prediais, entre outras aplicações.

Ao disponibilizar gratuitamente os seus dados geográficos, a EDIA continua a apostar na promoção do desenvolvimento económico e social do espaço Alqueva.

Os dados podem ser redistribuídos e usados para qualquer fim, desde que se cumpram determinados requisitos, nomeadamente informação sobre a sua origem e propriedade e sobre eventuais alterações que tenham sido efetuadas, entre outros.

» Consulte os Dados Alqueva AQUI

Projeto AgroSatAdapt maximiza produtividade agrícola e sustentabilidade ambiental

19/06/2023

O setor agrícola é uma parte relevante da economia portuguesa, mas a crescente pressão sobre os recursos naturais e as mudanças climáticas podem levar a uma degradação dos solos e à perda de biodiversidade, assim como reduzir a produtividade agrícola.

É neste contexto que o projeto AgroSatAdapt propõe uma abordagem integrada e inovadora para maximizar a produtividade agrícola e a sustentabilidade ambiental, através de um software que permite uma gestão territorial, com enfoque na sustentabilidade ambiental – aspetos ecológicos, climáticos, hídricos e socioeconómicos.

Este projeto, de que a EDIA é parceira, tem três áreas piloto, com perfis diferenciados de gestão, nomeadamente o Município de Reguengos de Monsaraz, áreas próprias e fornecedores da Herdade do Esporão e áreas enquadradas no perímetro de rega de Alqueva gerido pela EDIA.

O seu ordenamento territorial, gestão produtiva e potencial ecológico são avaliados com base em cartografia atualizada e dados de satélite, essenciais para a caracterização de padrões e processos paisagísticos.

O Projeto AgroSatAdapt é coordenado pelo MED – Instituto Mediterrâneo para a Agricultura, Ambiente e Desenvolvimento da Universidade de Évora e financiado pela Fundação “La Caixa”.

» Veja o vídeo sobre as ações desenvolvidas no âmbito do projeto AgroSatAdapt promovidas pela EDIA AQUI 

EDIA – Relatório de Sustentabilidade 2022 já está disponível

14/06/2023

A EDIA acaba de publicar a edição de 2022 do Relatório de Sustentabilidade, um documento que pretende comunicar o desempenho da empresa a nível ambiental, social e económico e reforçar o seu compromisso com o desenvolvimento do Alentejo.

A EDIA, sediada em Beja, é a entidade gestora do projeto de Alqueva, que assenta no conceito de fins múltiplos e irriga o maior perímetro hidroagrícola português, fornecendo água a uma área de cerca de 130 mil hectares. Para além do regadio, o Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva produz energia hidroelétrica em modo reversível, possibilitando uma total complementaridade com outras energias renováveis como a fotovoltaica, garante o abastecimento público e industrial, a preservação do ambiente e do património e do ordenamento do território.

Atualmente Alqueva assume-se como um projeto determinante da adaptação da região no contexto de mudança climática, pelo que a EDIA assume responsabilidades acrescidas na gestão integrada do Empreendimento.

O Relatório de Sustentabilidade abrange todas as atividades da Empresa, que se estendem por 20 concelhos dos distritos de Beja, Évora, Portalegre e Setúbal, transmitindo o posicionamento da EDIA e a sua aposta na promoção deste território, de acordo com compromissos ambientais e sociais baseados numa gestão integrada de todas as valências do projeto

» Consulte o Relatório de Sustentabilidade da EDIA 2002  AQUI

EDIA promove projeto de REARBORIZAÇÃO e REQUALIFICAÇÃO em ALQUEVA

30/05/2023

A EDIA está a promover um projeto de rearborização que abrange uma área total com cerca de 30 hectares e desenvolve-se em 6 áreas piloto, em terrenos contíguos ao regadio de Alqueva.

Estas ações são feitas nos concelhos de Beja, Vidigueira, Serpa e Moura, e implica a intervenção em várias massas de água do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA) e ecossistemas ribeirinhos associados.

São objetivos desta iniciativa a contribuição para a melhoria gradual do estado das diferentes massas de água do EFMA, com intuito de atingir o bom estado ecológico; favorecer a biodiversidade autóctone e colaborar para uma diversidade no mosaico da paisagem e também a promoção de áreas que possam vir a potenciar o sequestro de carbono e garantir a conetividade entre habitats com a criação de corredores ecológicos.

A implementação deste modelo de intervenção promove a recuperação de paisagens naturais com técnicas de retenção de água e novas plantações que oferecem soluções para problemas de erosão provocada pela intensificação da atividade agrícola na envolvente.

No projeto estão previstas plantações de diversas espécies de árvores e arbustos, entre eles o Sobreiro; o Medronheiro; o Amieiro e o Salgueiro; o Alecrim; o Loendro; o Choupo-branco, etc.

O projeto é financiado pelo programa COMPETE 2020 e Programa: 2021-REACT-13, tem como parceiro da EDIA a empresa TREVO-FLORESTA, AGRICULTURA E AMBIENTE, LDA.

» Veja o vídeo AQUI

EDIA lança CONCURSO para CINCO CENTRAIS FOTOVOLTAICAS FLUTUANTES

26/05/2023

Trata-se de um concurso público internacional, lançado hoje, para a empreitada de construção das centrais fotovoltaicas flutuantes a instalar nos reservatórios de Ferreira do Alentejo, Almeidas, Pias, Penedrão e Monte Novo (reservatório 4), com uma potência total de 4,5 MWp (Mega Watts pico), num investimento de cerca de 4 milhões e 320 mil euros.

Este concurso inclui a elaboração do Projeto de Execução e a Empreitada de Construção das cinco centrais fotovoltaicas flutuantes localizadas junto às estações elevatórias dos respetivos reservatórios e ainda a operação e manutenção das mesmas pelo prazo de três anos após a entrada em exploração.

As centrais a instalar servirão essencialmente para alimentar as estações elevatórias adjacentes, enquadradas no regime de autoconsumo como Unidades de Produção de Autoconsumo (UPAC), estimando-se uma produção anual de 7 GWh (Giga Watts hora), evitando assim a emissão de 1600 toneladas por ano de CO2 para a atmosfera.

A instalação destas centrais fotovoltaicas em estruturas flutuantes tem importantes argumentos favoráveis:

  • não compete com outro tipo de utilização do solo, pois ocupa tipicamente reservatórios de regularização ou partes de albufeiras que não têm uso alternativo;
  • a produção é maior, pois o efeito refrescante do plano de água sobre os painéis aumenta a sua eficiência de conversão da radiação em eletricidade;
  • a redução da incidência da luz nos reservatórios limita o crescimento das algas, contribuindo decisivamente para a qualidade da água e para a diminuições dos custos com a limpeza de filtros;
  • a cobertura de reservatórios reduz a evaporação e, consequentemente, os custos operacionais da distribuição de água.

Este é o primeiro de um conjunto de 4 concursos a lançar até ao final do verão, num investimento global que rondará os 60 milhões de euros a que corresponderá a instalação de perto de 70 MW.

A intenção da EDIA é replicar o sucesso da central instalada no reservatório de Cuba-Este, em operação desde 2020.

» Veja o vídeo sobre o reservatório de Cuba-Este AQUI